Morte

Em qualquer lugar do mundo há uma certeza universal: vamos morrer. Todas as criações do universo estão em um ciclo constante de renovação e morte. As flores nascem, crescem, ostentam beleza enquanto a natureza cuida da reprodução, por fim, apodrecem e morrem.

O Câncer é uma doença que vai destruindo progressivamente todas as células de um corpo. Elas deixam de se reproduzirem de maneira saudável e em determinados lugares, apodrecem e criam uma espécie de deformidade, um tumor, que vai crescendo até tomar um espaço grande demais para que o corpo continue saudável, por fim, ocorre a morte.

Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado de células, que invadem tecidos e órgãos. Dividindo-se rapidamente, estas células tendem a ser muito agressivas e incontroláveis, determinando a formação de tumores, que podem espalhar-se para outras regiões do corpo.INCA Instituto Nacional do Câncer.

Se no microcosmo um conjunto desordenado de células causa a morte, ou mesmo condições de vida de muito sofrimento por conta da quimioterapia – já que a remoção do tumor não basta, pois células desordenadas continuarão a crescer num corpo doente – imagine o que seria um câncer no ponto de vista do macrocosmo: onde ao invés de células, há um corpo de pessoas.

O processo é terrível. O tumor é feio, tenebroso, agressivo e assassino. Por conta de um pedaço doente, todo o conjunto de células saudávaveis que servem de abrigo para uma alma é abalado caso a mesma decida que o corpo deverá sobreviver. No entanto, apesar de ser uma doença complexa, já é do senso comúm: ser diagnosticado com câncer é ter os dias de vidas contados.

Significa, portanto, um fim muito próximo. Cláro, há casos de pessoas que se curam e voltam a ter uma vida normal. Porém, em tais casos, são os tipos de câncer mais comúns onde os médicos já tem um lema: previnir é melhor que remediar e quanto antes detectar, melhor. Pois quando tal doença está em estágio avançado, é certeza absoluta de que o esforço dos médicos será apenas para prolongar a vida do paciente.

Falando do macrocosmo, um dos sinais de que a humanidade está sofrendo com um câncer é a feiura. Eu vejo cada vez mais jovens, especialmente garotas, que anos atrás eram lindas mas que sofreram um processo de degeneração progressiva até simplesmente se descaracterizarem por completo. Há um ideal nojento que abraça os excluídos sociais onde a beleza é o único critério de exclusão entre os perdedores. Mas vemos que hoje esse critério saiu dos excluídos – me referindo aos gangsters, prostitutas, criminosos, drogados e loucos – e tornou-se a cultura de massas.

Tal degeneração na aparência também acompanha uma degeneração moral. Transtornos de personalidade, traumas, frustrações e valores invertidos ou de cunho duvidoso. Tal processo, no entanto, mostra uma morte progressiva. Um fênomeno interessante é uma associação com o Cristianismo.

É comúm, no brasil, que hajam algumas igrejas de perdedores que modificam o cristianismo em benefício próprio. Óbvio que os membros também vão modificar as interpretações de tal grupo causando ainda mais caos. Na minha experiência pessoal, além dos problemas que eu tinha quando cristão em relação ao cristianismo em si mesmo, enfrentei outro ainda maior onde NINGUÉM, aboslutamente NINGUÉM com menos de 40 anos levava a sério. Todos só queriam acolhimento e não tinham nenhum compromisso com as tradições em si.

O “Corpo de Cristo” está em estado terminal de câncer, junto da civilização ocidental, e a descaracterização, deface, é um sinal disso. A morte do senso esstético nos jovens que estão se descaracterizando cada vez mais também é outro sinal de doença. O coronavírus é apenas um resfriado em comparação ao câncer do corpo Ocidental e do restante do mundo moderno. As células saudáveis não têm condições de lutar com um tumor que permeia todo o corpo. Muitas delas morrem, egolhidas pela doença.

A luta agora é pela sobrevivência e auto-preservação. Ainda que eu consiga realizar meu ideal de independência de uma civilização doentia e expandir a resistência de forma a unir as pessoas saudáveis num conjunto grande e forte o bastante para resistir a uma quantidade avassaladora de inimigos, uma hora ou outra o câncer também vai apodrecer o remanescente de células saudáveis, indo aos poucos rompendo os tecidos salutares. Uma idéia interessante para a cura do câncer seria a de fortalecer as células saudáveis de modo que elas mesmas sejam capazes de lutar contra a doença e desenvolverem a inteligência necessária para lutar contra os tumores.

Sendo a cura para o câncer a criação de um sistema imunológico capaz de lutar contra a formação de tumores, no macrocosmo seria, pois, a única saída para a humanidade. Pois vamos aos fatos. O tumor se espalhou pelo corpo todo e a remoção do mesmo implicaria em reproduzir tantas células para tantas funções prejudicadas que não sabemos como que um corpo tão doente ainda não morreu. Células saudáveis, no entanto, fortalecidas de modo a não sucumbirem as células cancêrigenas, vão se posicionar numa base de onde poderão recuperar boa parte do tecido celular perdido.

Então o processo pode ser considerado o seguinte:

Uma vez que a autoeducação é uma necessidade para não voltar para a matrix, ou não ser destruído pelo câncer do macrocosmo, a educação das novas gerações é uma das posições estrategicas a serem ocupadas. Pela individualização saudável, independência emocional e preenchimento das consciências independentes, as mesmas tornam-se exemplos de si mesmas. São pessoas felizes capazes de mostrarem a fonte do sucesso pelas próprias escolhas e ações simples, “monocromáticas”, que abrem as portas para a formação de novas pessoas.

Os homens e as mulheres livres devem negar o desejo de aprovação social e acolhimento pois os mesmos devem ser a fonte que vai acolher as crianças puras ou as pessoas que desejam sair da matrix. Com as regras atuais do jogo, a melhor posição não está na família (onde a infecção é instantânea).

Como meta de vida, buscarei estudar Engenharia Social pois até hoje doe no meu ao peito lembrar da descaracterização de muitas crianças e jovens que viraram zumbis, simplesmente foram destruídos por conta de uma civilização de loucos. Será a minha contribuição para a humanidade, ainda que insignificante no estado atual de coisas, mas tenho tempo.

Eu tenho a honestidade de dizer que estou buscando a ordem em mim mesmo para depois entregar a minha ordem para as pessoas. Muitos dizem que lutam em nome de uma causa mas apenas escondem as verdadeiras intenções e usam as pessoas de escada para se imporem em posições de poder e mudar por completo logo em seguida. Os valoers que eu desenvolver em mim mesmo vou transmitir ao próximo e é óbvio que estou defendendo um ideal baseado na minha concepção de mundo ideal. A diferença é que eu expresso o que eu realmente defendo e o que faz parte da minha personalidade. Qualquer um que decidir colaborar com meu projeto de vida por encontrar alguma nobreza no mesmo não vai se surpreender com mudanças subtas. Pois, diferente de certos filhos da puta que usam de rótulos e puxação de saco coletiva apenas para fazer merda no poder, eu sou eu mesmo.

Nascemos para nós mesmos e a primeira coisa que aprendemos é em relação ao instinto de auto-preservação. A próxima etapa, portanto, é a de buscar pertencer a algo e é nessa parte que a pessoa molda a própria síngularidade. Encontrei um pedaço de mim em muitos lugares da mesma forma que em muitos grupos encontrei vários motivos para não me identificar com eles. Dos fragmentos construí minha consciência e é essa síngularidade que me fizeram reconhecer sem romper com a humildade que minha luta é em nome da Verdade, pois qualquer filho da puta que lute por essas causas com nome – pelo catolicismo, pelo liberalismo, pelo raio da puta que pariu – estão usando as pessoas de maneira descarada! O pertencer a algo é o que eu espero criar junto de pessoas que são algo. É da síntese do ser de homens e mulheres livres, compartilhando dos mesmos valores que eu, que vou descobrir onde poderei repousar, mas não pertencer.

Por isso que faço uma esposição síncera do meu método filosófico que evita a farsa da impessoalidade. Só posso falar em meu nome e lutar em meu nome. Minha contribuição síncera com a ordem surge da necessidade de me sentir bem com as pessoas em torno. E como qualquer pessoa com o mínimo de sensibilidade, sei que ninugém iria se sentir bem vendo crianças e jovens sendo deformados por um sistema de canalhas!

Ps* Se eu disse que o “corpo de cristo” está com câncer, significa que sou Cristão? É uma interpretação errônea para o meu artigo, pois o mundo não é Cristão e este tumor, esta feiura planejada que foi gerada numa mente humana doentia e alimentada ao longo dos séculos afeta a todos. No entanto, o corpo da civilização Cristã também encontra-se em estado terminal. Logo, o corpo genérico diz respeito, em termos gerais, a espécie humana neste planeta.